Addendum




Portugal

(21 MEPs displayed)

2017 UN Climate Change Conference in Bonn, Germany (COP23)
B8-0534/2017:


Francisco
ASSIS
 AGAINST
Carlos
COELHO
 FOR (+) A Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas de 2017 (COP23) acontece um ano depois da entrada em vigor do Acordo de Paris, pelo que entendo ser prioritário avaliar o ritmo das ratificações, a oportunidade das medidas tomadas a nível nacional e a necessidade de readaptar objetivos face a posições de recuo, como a assumida pelo Presidente dos EUA.
Saliento que o combate às alterações climáticas não deve ser encarado como um obstáculo ao crescimento económico, mas como uma oportunidade para a criação de novos postos de trabalho e para a construção de estratégias de desenvolvimento sustentável. Por isso, destaco o importante papel da inovação e investigação científica. O investimento público e privado nesta matéria é fundamental.
Recordo que o conjunto dos contributos determinados a nível nacional ainda não é suficiente para cumprir os principais objetivos, pelo que a COP23 não pode deixar de fazer esse balanço.
Saliento a urgência de debater estratégias comuns de solidariedade entre as partes para acorrer a situações de migrações climáticas em massa.
Acompanho o entendimento da necessidade de envolvimento de intervenientes não estatais, designadamente a indústria. Destaco o papel especialmente relevante que o sector marítimo e da aviação desempenham.
Pelo exposto, apoio a resolução.
Manuel
dos SANTOS
 AGAINST
José Inácio
FARIA
 FOR
José Manuel
FERNANDES
 FOR (+) Conforme o documento apresentado pelo PIAC no seu quinto relatório de avaliação, os atuais níveis de emissão global de GEE consumem os valores remanescentes disponíveis para o carbono, o que implicará, durante os próximos quatro anos, o aumento da temperatura média global em cerca de 1,5ºC.
Como tal, e de acordo com o Acordo de Paris, a Europa é o principal agente intermediador, devendo pautar-se por políticas pró-ambientais, assim como acelerar a transição para um nível nulo de emissões de gases com efeitos de estufa e reforçar a resiliência às alterações climáticas. Esta é uma grande oportunidade para a UE reforçar as parcerias existentes e procurar novas alianças, em prol de um desenvolvimento sustentável.
Por considerar que as alterações climáticas devem estar no centro da discussão política internacional, votei favoravelmente.
João
FERREIRA
 (absent)
Ana
GOMES
 AGAINST
António
MARINHO E PINTO
 FOR
Marisa
MATIAS
 FOR
Nuno
MELO
 FOR (+) As alterações climáticas são um dos mais importantes desafios para a humanidade e que todos os Estados e todos os intervenientes a nível mundial têm de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para limitar os problemas relacionados. Apresentei o meu voto favorável.
Cláudia
MONTEIRO DE AGUIAR
 (absent)
João
PIMENTA LOPES
 AGAINST
Paulo
RANGEL
 (absent)
Sofia
RIBEIRO
 FOR
Liliana
RODRIGUES
 AGAINST
Maria João
RODRIGUES
 AGAINST
Fernando
RUAS
(none)
Ricardo
SERRÃO SANTOS
 AGAINST
Pedro
SILVA PEREIRA
 AGAINST
Miguel
VIEGAS
 AGAINST (+) De acordo com os dados científicos, o aquecimento do sistema climático é indiscutível, as alterações climáticas estão em curso e a ação humana tem sido a principal causa do aquecimento observado desde meados do século XX. Os impactos generalizados e substanciais das alterações climáticas são já evidentes nos sistemas naturais e humanos em todos os continentes e oceanos.
Os acordos de Paris, conforme denunciámos, não estabeleceram nenhum mecanismo vinculativo que permita atingir os objetivos propostos e continuam a apostar em soluções de mercado que se mostram inoperantes.
Em matéria ambiental, tal como acontece nas outras áreas, o sistema capitalista mostra as suas contradições e revela-se incapaz de assegurar um futuro viável para o planeta e para as suas populações. Não será, por isso, qualquer COP 23 que irá resolver o problema, mas antes o fim da subserviência do poder político perante o poder económico.
Carlos
ZORRINHO
 AGAINST (+) Votei a favor desta proposta de resolução sobre a conferência da ONU sobre as alterações climáticas de 2017, porque acredito que as alterações climáticas são um dos mais importantes desafios que a Humanidade enfrenta. Estão a destruir o planeta e a afetar as populações, em particular as mais vulneráveis economicamente.
Acredito que é essencial aproveitar a transição energética e digital para criar novas oportunidades de crescimento sustentável, emprego com qualidade, combate às desigualdades e melhoria das condições de vida no planeta.
Não devemos hesitar em assumir a liderança na defesa do Acordo de Paris, de modo a assegurar o futuro, tanto do ambiente como das nossas indústrias.
Acredito que devemos reforçar as parcerias existentes e procurar novas alianças económicas, políticas e de investigação e desenvolvimento.
Esta resolução constitui um forte mandato político para a delegação do Parlamento Europeu que participará na COP 23.